Pular para o conteúdo principal

Reunião Técnica GT Mulheres Mil

Nos dias 23 e 24 de agosto foi realizada, na Setec/Mec, Reunião Técnica com o Grupo de Trabalho, instituído através da Portaria nº 17, de 19 de maio de 2017, da Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica do Ministério da Educação, para proposição de diretrizes, mecanismos e procedimentos do processo de institucionalização do Programa Nacional Mulheres Mil, no âmbito da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, com a finalidade de contribuir para a oferta permanente de qualificação profissional para mulheres em vulnerabilidade social em todo o país.


As representantes do programa Mulheres Mil do Ifal, Luiza Jaborandy; e do Ifap, Erika Bezerra, apresentaram a execução do Programa nestes estados e casos de sucesso de experiências exitosas.

O Pró-Reitor de Desenvolvimento Institucional do IFG e Coordenador do Fórum de Desenvolvimento Institucional FDI/Conif, Weber Tavares, explicou sobre Processos de Institucionalização; Planejamento Estratégico, Dimensões de indicadores e aplicabilidade destes instrumentos na construção de proposições e diretrizes para implantação do processo de institucionalização do Programa, no âmbito da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica.

O grupo realizou análise do levantamento de informações sobre a execução do Programa Mulheres Mil, considerando as dimensões de Perfil de Atendimento; Desenvolvimento Institucional, Panorama de Iniciativas e desenhou potencialidades de atendimento do Programa Nacional Mulheres Mil.

Este encontro contou com a participação da Coordenadora do Grupo de Trabalho: Jussara Maysa Campos, Coordenadora do Mulheres Mil na Setec; da representante do Conif: Marialva Almeida, Reitora do Ifap; representante da região Norte: Erika da Costa Bezerra; região Nordeste: Luiza Jaborandy; região Centro-Oeste: Elenice Santos; região Sudeste: Luciana Cardoso de Araújo; representantes da Setec: João Augusto Ferreira e representantes da Secadi: Carlos Teixeira; Silvia Cordeiro de Araújo; Márcia da Motta Brandão e Letícia Ferreira Fraga.

O Programa Mulheres Mil foi instituído em 2011 através da Portaria do MEC nº 1.015, e é resultado de um projeto piloto realizado por meio de uma cooperação internacional entre o Brasil e o Canadá desde 2008. Com a metodologia de Acesso, Permanência e Êxito da população feminina brasileira em situação de vulnerabilidade social nas instituições de educação profissional, visando sua inclusão educativa e sua promoção social e econômica.

Estruturado nos eixos educação, cidadania e desenvolvimento sustentável, tem como principais diretrizes: possibilitar o acesso à formação; promover a elevação de escolaridade; contribuir para a redução de desigualdades sociais e econômicas de mulheres; promover a inclusão social; defender a igualdade de gênero; combater a violência contra a mulher.

Institucionalizar, juntamente com toda a comunidade ifapiana, este Programa que devolve sonhos, na medida em que impacta positivamente na vida de milhares de mulheres no Estado do Amapá é uma das batalhas que terei pela frente. O primeiro passo já foi dado e este Grupo de Trabalho, no qual represento o Conif, entregará sua proposta à Setec e à Rede Federal até o final de outubro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Para ver oportunidades na crise

Já circula entre nós há algum tempo a ideia de que um momento de crise é também um momento de oportunidade. Se, em teoria, essa máxima é até fácil de se entender, colocá-la em prática exige de nós uma energia e uma ousadia que, às vezes, nem imaginamos ser possuidores. Digo isso em referência a esses dias que temos vivenciado aqui em Brasília buscando mais apoio junto à Bancada Federal do Amapá para que, através de emendas, nossos possamos recompor o orçamento do Ifap para 2018, tendo em vista os cortes que o mesmo sofreu.
Trouxe na bagagem para enfrentar esse desafio, um detalhado mapeamento que nossos Diretores-Gerais fizeram junto com suas respectivas equipes identificando as principais demandas de cada uma das unidades do Ifap distribuídas em seis municípios do Amapá.
Não posso deixar de tornar público meus elogios a esse trabalho desenvolvido pela Diretora-Geral do campus Laranjal do Jari, Marianise Paranhos, que elencou como uma das prioridades para este campus a aquisição de u…

Fui bem ali, conversar no Oiapoque

Estar na fronteira de um país com as dimensões do Brasil nos dá a possibilidade de entender o exato poder que a educação tem para transformar nossas diversas realidades. Depois de uma longa viagem por estradas não muito convidativas, a Roda de Conversa com a Reitora do Ifap chegou a Oiapoque para, como o nome do projeto já deixa claro, conversar com meus colegas docentes e técnicos administrativos e com nossos promissores estudantes do Campus Avançado localizado naquele município.


E quanta admiração tenho por essa equipe do Oiapoque. São servidores que fazem muito mais do que cumprir seu expediente, são servidores que colocam sempre aquele empenho adicional presente nas grandes realizações humanas. Por assim serem, óbvio que tinham também diversas demandas para nós da reitoria tomarmos ciência e encaminhar, da forma mais célere possível, as soluções.

De sua parte, nossos estudantes também demonstraram que estão atentos e comprometidos com a melhoria da infraestrutura do campus Avança…

Ventos do extremo norte trazem desejo de autonomia

O que tenho aprendido todos os dias, desde que assumi a reitoria do Ifap? Que a opção pelo bem comum é sempre nossa. E assim tem sido minha trajetória. A cada Roda de Conversa com a Reitora sinto o quanto é importante o "olhar pra o outro", o "querer o melhor e lutar pelo melhor pra o outro" porque assim agindo colhemos construímos o melhor pra nós mesmos. Grata por "sentar, olhar e conversar com vocês" e, nas histórias ouvidas e ditas (com a mais líquida franqueza) uma certeza: "o Ifap faz muito bem a vocês, na medida em que vocês fazem um bem enorme ao Ifap". Que a Educação Pública e Gratuita de Qualidade seja o melhor motivo para o desenvolvimento deste município de Oiapoque. O campus Oiapoque quer crescer, ser autônomo. Isso é bom pra todos, então que o poder público local nos estenda a mão e lute conosco pra tornar isso realidade.